12/Nov/20

Controle sua fábrica através de uma plataforma única eFact

Categoria(S): Ferramentas, Videos • solução(ões): Digitalização e Indústria 4.0

Uma das maiores dificuldades das empresas no que diz respeito à Indústria 4.0 é a falta de dados de eficiência, perdas e ganhos. Embora possuam ferramentas para auxiliar na gestão, a ligação entre produção e sistema de informação pode estar desconectada.

A plataforma MES é responsável pela interface entre a camada de coleta de dados no chão de fábrica e o ERP das organizações, auxiliando na acuracidade de tempos, eficiência e programação da produção.

Neste vídeo, o sócio-diretor da eFact Software Cristiano Valer, explica como a plataforma MES da eFact pode auxiliar na coleta de dados, rotinas de gestão e tomada de decisão.

O vídeo foi extraído do evento on-line "A importância do planejamento na jornada da digitalização", onde Alexandre Gewehr, IT Manager - Manufacturing Business Partner da AGCO Corporation, apresentou uma visão sobre o cenário da digitalização nas indústrias brasileiras. Clique aqui para assistir ao webinar na íntegra.

 

Quais são as dificuldades que a plataforma MES pode auxiliar?

A plataforma MES da eFact pode auxiliar as organizações a entenderem quanto vale 1% de aumento de sua produtividade, assim como descobrir quanto perde por cada minuto da máquina gargalo parada.

Também ajuda empresas a identificarem as perdas de lucro pelas ineficiências do seu sistema produtivo, assim como compreender como está a eficiência de suas máquinas comparadas com as similares na indústria do setor em que está inserida.

Muitas empresas possuem dificuldade em saber quais são os produtos que realmente possuem maior margem de contribuição. A plataforma MES da eFact  pode dar suporte para identificá-los.

 

O que é o E-Fact?

O eFact é uma plataforma MES modular e integral, pois é possível habilitar as funcionalidades conforme a necessidade, sendo instaladas nos servidores das empresas ou da própria eFact.

Por conta  da parceria com a Produttare, é uma plataforma que têm em seu CORE uma base sólida dos conceitos da Engenharia de Produção, tornando-se um facilitador para a Gestão dos Ativos e como apoio ao setor de Melhoria Contínua das empresas.

Visto que é totalmente web e pode ser utilizado na cloud, a plataforma eFact  possibilita a entrada das organizações na Indústria 4.0, pois soluções MES são a base para a aplicação dos habilitadores deste conceito.

 

Como funciona a plataforma E-Fact

No modelo ideal, a produção no chão de fábrica recebe do ERP ou APS, o planejamento de o que produzir, onde produzir, quando produzir e onde produzir.

Após a execução do planejado, a produção retorna para o ERP o que foi de fato produzido, onde foi produzido e quanto tempo levou para ser produzido. Com estas informações, o ERP ou APS consegue estimar melhor os tempos reais de produção de cada item, ajustando os custos dos produtos, a programação da produção e a eficiência dos recursos monitorados. Ou seja: a retroalimentação do MES para o ERP ou APS permite a obtenção de dados confiáveis para a tomada de decisão.

 A plataforma MES da eFact é composta por três camadas principais:

  • Camada de coleta de dados;
  • Camada de rotinas de gestão;
  • Camada de gestão.

 

Camada de coleta de dados

A plataforma eFact é iniciada pela camada de coleta de dados, que pode ser de quatro formas:

  • Sistemas legados;
  • Diário de bordo manual com os apontamentos dos operadores da produção inseridos em um banco de dados;
  • Coleta semiautomática, onde o operador faz os apontamentos no sistema;
  • Coleta automática, onde o IoT (Internet of Thing) fará a coleta automaticamente.

 

Ciclos de rotina de gestão

Conforme o modelo de coleta de dados, é possível que seja instanciado distintos ciclos de rotina de gestão, dos quais detalhamos abaixo:

  • Tempo Real: o primeiro ciclo e um dos mais importantes é o ciclo de tempo igual a zero, ou seja, quando surge um problema a cadeia de ajuda é acionada imediatamente, reduzindo perdas. Para isso é necessário a coleta de dados semiautomática ou automática.
  • Gestão da rotina: ao final de cada turno são analisados os indicadores e principais problemas do posto de trabalho no próprio posto de trabalho, sendo debatido com as lideranças e operadores quais ações devem ser tomadas para corrigir os problemas que estão ocorrendo.
  • Gestão da melhoria: neste ciclo são realizados projetos específicos e estruturantes para atacar as causas raízes dos problemas encontrados, como melhorar eficiência do recurso ou reduzir tempos de paradas.

  

Camada de gestão

Após coletados os dados e analisados a partir dos ciclos de rotina de gestão, são levados os dados para a camada de gestão, que possui seis módulos:

  • Gestão da eficiência: o primeiro módulo é a gestão de eficiência onde são analisados os apontamentos, pareto de paradas e de refugos, assim como os indicadores (IROG/OEE/TEEP);
  • Gestão da manutenção: neste módulo há os indicadores de manutenção, como horas de máquina paradas, número de quebras, percentual de indisponibilidade, MTBF, MTTR, MDT e pareto de manutenção;
  • Gestão de processos: este módulo trata dos tempos de ciclos e sua acuracidade, análise da eficiência por itens e análise dos itens com maior tempo no recurso;
  • Gestão da qualidade: neste módulo são analisados os indicadores de anomalias, refugos e retrabalhos;
  • Gestão da flexibilidade: indicadores de tempo médio de setup e tempo médio entre setups, assim como percentual de indisponibilidade e pareto de setups;
  • Gestão do ganho: neste módulo são analisados os melhores e piores retornos financeiros dos itens que passam no gargalo das organizações. Com base nisso é classificada a curva ABC e analisadas a margem e o valor de venda dos produtos.

Todos os módulos de gestão estão interligados pelo método de análise e PDCA (Planejar, Desenvolver, Controlar e Agir), onde se analisa os indicadores, se identifica as anomalias e se constrói o plano de ação.

Estes indicadores são organizados e agrupados de forma hierárquica por unidade de negócio, grupo de máquinas e a própria máquina.

Também há o módulo de Workflow de alertas, onde são parametrizados indicadores, regras e níveis que acionam a cadeia de ajuda através de e-mails, mensagens ou notificações no aplicativo.

 

Módulos da plataforma eFact

A plataforma eFact possui seis módulos principais:

  1. Painel de gestão: onde é feito a análise dos indicadores, cadastro e parametrização de todos os módulos e funcionalidades da plataforma;
  2. Coletor: este módulo é utilizado na produção para os apontamentos (produção, paradas, refugos e retrabalhos), inspeção, registros de qualidade, ordens de manutenção e acionamento de área de apoio;
  3. IoT: módulo de coleta de dados automáticos;
  4. Andon: onde é feito a gestão visual do que está acontecendo na produção alertando as áreas de apoio;
  5. Móbile: este módulo faz a publicação dos dados coletados e dos alertas.

 

Eventos relacionados

Conteúdos Relacionados:

Receba a Newsletter Produttare

Trazemos os melhores artigos e pensamentos sobre Excelência Operacional, Lean Manufacturing e Gestão de Operações.