30/Set/20

Dana Operating System (DOS) – Um modelo de excelência operacional híbrido

Categoria(S): Engenharia Lucrativa, Videos • solução(ões): Gestão de Operações

A constante preocupação das organizações por uma maior competitividade faz com que as empresas, em todos os segmentos industriais, busquem aprimorar seu sistema de produção, absorvendo as melhores práticas de diversas escolas de Engenharia de Produção. Nas últimas décadas, a Dana desenvolveu um sistema de produção robusto, incorporando abordagens como o Sistema Toyota de Produção, Teoria das Restrições, melhores práticas da indústria em geral, além das suas experiências ao longo dos anos.

Confira a apresentação de Nelson Wagner, Diretor de Excelência Operacional da Dana, sobre a trajetória de construção do sistema de produção da empresa, o Dana Operating System (D.O.S), até à integração de tecnologias habilitadoras da indústria 4.0. A apresentação foi extraída do webinar realizado pela Produttare, intitulado "Dana Operating System – Um modelo de Excelência Operacional Híbrido". Clique aqui para assistir ao webinar na íntegra. A seguir, uma síntese do conteúdo apresentado no vídeo.

 

A Dana e a trajetória de seu sistema de produção

Fundada em 1904, a Dana construiu sua excelência operacional com foco nas pessoas, na formação de liderança e no conhecimento técnico. Com esta visão, em 1920 a empresa implantou um programa de educação formal e, entre as décadas de 70 e 90, estruturou a Dana University e o programa de supervisores certificados.

Durante a década de 90, a Dana, no Brasil, passou a adotar mais e mais os conceitos da Teoria das Restrições, aprimorando seus KPIs operacionais. Entre outras iniciativas para maior envolvimento dos colaboradores, também implantou um programa de ideias de melhorias e redução de perdas.

A partir dos anos 2000, a empresa desenvolveu o seu próprio sistema de produção, o Dana Operating System – DOS, baseado nas boas práticas da indústria, na experiência adquirida ao longo dos anos e nas escolas do Sistema Toyota de Produção e da Teoria das Restrições. A partir de 2008, incluiu nas rotinas de gestão do DOS a prática da análise “Diamante”, com reuniões onde são realizados o monitoramento e controle dos cinco principais KPIs operacionais da empresa, a saber: segurança, qualidade, produtividade, eficiência e entrega.

No ano de 2017, a experiência adquirida com a implantação do D.O.S., restrita à área de operação, foi expandida para as demais áreas de apoio, sendo que, em 2019, algumas ferramentas da indústria 4.0 foram incorporadas ao seu sistema operacional.

 

Princípios do D.O.S.

A partir da adaptação dos conceitos e métodos das escolas acima mencionadas à realidade da empresa, a DANA implantou e consolidou alguns princípios, a saber:

Sistema Toyota de Produção: Foco no chão de fábrica, posicionando fisicamente no ambiente fabril as lideranças e áreas de apoio, como a engenharia, a manutenção e o PCP; Eliminação de desperdícios; Gerenciamento visual, identificando os recursos restritivos (gargalos) e os fluxos de processo; Foco nas pessoas capacitando-as e preparando-as da melhor forma possível e Capacitação do líder, instruindo os líderes com o desenho do processo e compartilhamento nas resoluções de problemas.

Teoria das Restrições: Foco no resultado do negócio; Priorização dos recursos restritivos e Melhoria contínua do resultado.

Melhores práticas da indústria: Auditorias de sistema; Senso de propriedade nos dados visuais; Monitoramento da performance operacional e Metodologia do processo de melhoria.

Experiências próprias da empresa: Customização dos elementos; Padronização de ferramentas e Conexão com os princípios, conceitos e ferramentas.

 

Ferramentas do D.O.S.

À semelhança dos conceitos oriundos das teorias mencionadas acima mencionadas e experiências adquiridas, também um conjunto de ferramentas foram implementadas e utilizadas na Dana, a saber:

Sistema Toyota de Produção: Conceito de Time; Fluxo Unitário de Peças; Produção Puxada; 5S; Kaizen; TPM; VSM; Pokayoke; Trabalho Padronizado; Kanban; CCQs; PDCA, entre outros

Teoria das restrições: Gerenciamento dos Gargalos de Produção; KPIs de Resultado; Controle de Custo; Taxa de Saída (Output) e Inventário.

Melhores práticas da indústria: Auditoria escalonada de processo (Chrysler); Accontability Board (IAC); Ferramenta de gravação de operações AVIX (IAC) e Quality Operational Review (Ford).

Experiência próprias da Dana: Unidades de manufatura; Process description & Bottleneck Report; Métricas; Auditorias de segurança; Modelo de custo de manufatura (manufacturing cost model); DOR; Reuniões escalonadas; Cartões de anomalias (TPM) e Quadros de controle de produção.

 

Ferramentas de aprimoramento do D.O.S.

Com vistas a melhoria contínua do D.O.S., a empresa desenvolveu ferramentas de análise da implantação de seu sistema de produção, a saber:

Dana Operating Review - D.O.R: É uma ferramenta de análise de controle, correção e tendência aplicado a todos os KPIs, buscando solucionar problemas e melhorar o indicador, identificando onde focar.

D.O.S. Audit: Esta ferramenta é utilizada para medir o percentual de implementação do sistema que a empresa tem em cada fábrica, ajudando no progresso dos objetivos da equipe e compreendendo as suas lacunas para posterior capacitação do time. A auditoria possui dois níveis e é composta por 19 pilares pontuados de 0 a 5, expostos em quadro na entrada de cada unidade. Anualmente, quando é elaborado o plano de operação da unidade fabril, a Dana identifica quais são os pilares que precisam dar ênfase, sendo customizado para cada unidade.

D.OS. Knowledge Track: Esta ferramenta consiste em treinar os trabalhadores nos conceitos do D.O.S. e é composto por conteúdos de 12 áreas, divididos em 27 módulos de treinamento, sendo 5 obrigatórios e 22 eletivos. A empresa também possui uma matriz de capacitação onde determina o nível de conhecimento que cada função deve possuir.

Solução de problemas em equipe – SOPE: Um programa de melhoria contínua, visando a solução de problemas com o objetivo de qualificar os trabalhadores através do uso das ferramentas do sistema.

 

Onde a Indústria 4.0 se encaixa no D.O.S.?

Diversas são as ferramentas utilizadas na Indústria 4.0, tais como 3D Printing; Smart Glasses Maintenance: IoT: IoS e MES Ignition, entre outras.

Para automatizar um processo é necessário que o mesmo esteja bem desenhado e estruturado. Neste sentido, para escolher as ferramentas da indústria 4.0 a serem utilizadas, a Dana vem analisando qual a influência de cada uma delas nos seus processos, com vistas a contribuírem para os resultados do negócio. A partir deste entendimento, são realizadas análises, utilizando-se a metodologia Dana MCM (Manufacturing Cost Model). O MCM é uma prática consolidada na Dana há tempos e todas as propostas de melhoria de processos são confrontadas, com o mesmo rigor, independentemente de incorporarem novas tecnologias 4.0. Desta forma, a empresa vem também identificando as melhores oportunidades para automações, integrações, aplicações de manufatura aditiva, entre outras tecnologias mais recentes, sem perder de vista a ideia da engenharia lucrativa, voltada para os resultados.

Eventos relacionados

Conteúdos Relacionados:

Receba a Newsletter Produttare

Trazemos os melhores artigos e pensamentos sobre Excelência Operacional, Lean Manufacturing e Gestão de Operações.